Partidos á Parte

quarta-feira, novembro 15, 2006

Sócras ...

O tele-evangelista secretário-geral do PS, esteve o fim-de-semana passado em Congresso.

Foi vê-lo a desfilar as suas propostas recicladas de 3ª geração!

Quais papelinhos quais quê! Estamos na era dos ecrãs digitais, que passam o texto qual teleponto de televisão!
Tudo muito in ...

A política 3ªG

sexta-feira, setembro 15, 2006

Congresso Extraordinário do CDS é inevitável

Depois das declarações de Pires de Lima e da carta enviada por Nobre Guedes, José Ribeiro e Castro ficou sem espaço de legitimidade dentro do CDS. E pode, por isso, antecipar a convocação de um Congresso Extraordinário, antes mesmo do referendodo aborto, que ontem o PSD admitiu apoiar, obrigando Paulo Portas a avançar para a liderança ainda em 2006.
Do lado portista, alegadamente, nada foi concertado. Para Paulo Portas o interessante seria mesmo regressar à liderança do CDS só depois do referendo ao aborto que, necessariamente, criará uma fractura à direita, e, sobretudo, depois da apresentação e do debate do Orçamento do Estado para 2007, onde o CDS não gostará de afrontar o primeiro-ministro, com um orçamento alternativo.Mas o desgaste tinha sido iniciado com a agenda mediática de Ribeiro e Castro e, sobretudo, depois dos encontros do líder do CDS com Manuel Monteiro, criando espaço de descontentamento na ala portista do CDS. No SEMANÁRIO, os portistas chegaram mesmo a declarar que se Ribeiro e Castro patrocinasse a Conferência de Ferraz da Costa para a unidade da direita, haveria uma iniciativa assumida do grupo para derrubar a liderança enquanto o partido ainda existisse.Mas, esta semana, quando Pires de Lima anunciou a suspensão do seu lugar de deputado, aproveitou para fazer declarações à comunicação social que acabaram por colocar o dedo na ferida e contribuir para o debate claro da liderança do partido. Pires de Lima, o antigo porta-voz do CDS no tempo de Paulo Portas, disse que o antigo líder do partido é uma "reserva com quem o CDS pode contar para uma liderança. É um valor seguro inquestionável e desejado por muitos militantes", disse Pires de Lima.

quinta-feira, setembro 14, 2006

A Agência Europeia de Segurança Marítima em Portugal é da minha autoria!!


Discussão de comadres

A ALTERNATIVA POLÍTICA


A alternativa não tem datação pré-anunciada. Isso é mera presunção. Fuga em frente.
A alternativa é feita hoje.
A alternativa são convicções. Bandeiras de causas. Património de ideias.
Onde anda o CDS quando nada diz em relação às Salas de Chuto quando estas significam o maior atentado ao humanismo cristão feito nas ultimas décadas em Portugal? Vamos não apenas deixar mas viabilizar e sustentar a progressividade de uma doença autodestrutiva para aquele que é adicto às drogas e que há muito não tem vontade própria, descernimento e capacidade de auto-ajuda?
O anúncio desta medida, bem ao jeito de um governo socialista, poderia resumir-se num titulo apelativo tipo: " Se te queres matar, nós (estado português) fazemos-te o garrote!".
E o CDS? quem tem a dizer sobre o direito à vida? que tem a dizer a políticas que significam a demissão do estado na protecção à saúde e à dignidade da pessoa humana?

domingo, setembro 10, 2006

Puro Veneno

Alberto João, o Rei da República das Bananas Madeirenses, e a sua boquinha de esgoto, retratado na perfeição pelo imprescindível Rui Pimentel


quarta-feira, setembro 06, 2006

Juicy



A novela rocambolesca de Ana Gomes (Eurodeputada), Freitas do Amaral (ex-Ministro de Estado e ex-Ministro dos Negócios Estrangeiros), mais a "estória" dos aviões da CIA com passagem pelo espaço aéreo português e com escalas, sem qualquer tipo de fiscalização das autoridades portuguesas, mais a ingerência do Parlamento Europeu e da Comissão Europeia (à laia de donos e senhores cá do burgo...), e à mistura o Parlamento Nacional que continua à nora (como de costume!!).

Ana Gomes mais a sua santa boca, e Freitas do Amaral que, com a idade, está-lhe a dar para abrir o bico mais do que deve ou pode!

Haja ... pastilha elástica para tanta falta de vergonha e irresponsabilidade.


Esta montagem chegou-me durante as
férias ao meu mail......

terça-feira, setembro 05, 2006

Trabalhadores não são coisas

"os trabalhadores não são coisas que se compram e se vendem. Para os políticos tradicionais, os Marques Mendes e Josés Sócrates, os trabalhadores são invisíveis, não contam, são parte de um mercado, são coisas. Para o Bloco de Esquerda, são pessoas que lutam, pessoas como os trabalhadores da Lear, que resistem aos despedimentos."
Francisco Louçã
Estamos muito mais descansados pela sua existência, senhor louçã. Sentimo-nos protegidos desses grandes papões, desses que nos tratam como "coisas". Julgo, até, que é um anjo enviado á Terra por uma força sobrenatural. Os "coisas" agradecem.

O RETEMPERO DO ESTOICO FRUSTADO

Antes do período que levou de férias o país o presidente do CDS-PP dizia ao "Expresso" que se revia como um estóico líder de uma presidência frustrante (?).

Em Leiria, de volta de férias, numa festa onde um porco assava no espeto (Sr. Castro tem factura do bicho? tem que ter! olhe as contas!) reencontramos um homem aparentemente revigorado para os desafios que se avizinham afirmando a vontade de ser o motor da alternativa para 2009. Vai bem lançado. Não é neste contexto despropositada e assim já faz sentido a última aquisição de um motor de 2500 cc a gasolina.

No mesmo dia no jornal “O Correio da Manhã”, numa atitude que já se torna demasiado repetitiva para ser apenas coincidência, descartava-se do passado recente financeiro do partido e anunciava propósitos tendentes a uma correcção da "incompetência" das anteriores direcções anunciando para o efeito uma aquisição de peso: um tal de Gonçalves Roberto. Quem? Importa-se de repetir? Pode fazer como é prática corrente na admissão de "novos grandes quadros" e disponibilizar-nos o curriculum? Obrigado.

Mas, como bom militante, trabalhando em rede como o estóico presidente mas evitando a sua frustração consegui saber que o tal senhor é o actual membro do actual Conselho de Fiscalização do partido e anterior Secretário-geral para os assuntos financeiros.

Aqui começam a levantar-se as minhas dúvidas.

Porquê a despromoção ou a saída voluntária no último congresso que até poderia ser uma altura para a sua ractificação na estrutura do partido?

Não foi esse senhor que esteve à frente das contas das últimas autárquicas que fazem agora tanta celeuma a nível da subvenção recebida?

Qual o contributo do mesmo para o controle ou descontrole orçamental do partido que os jornais afirmam hoje com um défice mensal de 15.000 €?

È dele a opção estratégica de investimento no parque automóvel que vi afirmado na imprensa?

Foi dele a sugestão do actual quadro de vencimentos de que se fala também nos jornais?
Por outro lado, dizia o referido artigo a propósito das contas e citando o Sr. Castro que não se podia ter exigências para fora (ou seja para o país) e depois internamente não pautarem pelo cumprimento da lei. Muito Bem. Estou de acordo. Mas já agora tenho que colocar uma outra questão. Não acha, senhor Castro, pouco transparente para quem quer clarificação nomear para executar quem depois vai fiscalizar? Pensou nisso? Pensaram nisso? É este o exemplo que quer transmitir? para dentro? para fora? Ou é apenas mais uma consequência do desespero de encontrar respostas sem pensar nas consequências?

Mas pronto. Ah! Já agora. Claro que é só uma coincidência mas "robertos" são aquelas marionetas utilizadas nos meios circenses e pode originar face ao quadro da situação alguma confusão sobre esta contratação.

segunda-feira, setembro 04, 2006

No fio da navalha



O presidente do CDS-PP, um partido de Direita (bom... pelo menos estou em crer que o é: um partido de direita), mostrasse cada vez mais incapaz para dar resposta, interna e externa, às aspirações e anseios do partido, e do seu sector chave.
Foi de lastimar, a reportagem ontem visionada num canal televisivo, onde Ribeiro e Castro enviava recados para dentro e fora do partido; qual professor de instrução primária a dar umas palmas às crianças rebeldes.

Um partido todo o terreno ... qual jeep no deserto do Sahara a desbravar dunas de areia ...

A sua incapacidade gritante, face há ausência de carisma, é de bradar!

O ténue fio da navalha.